• English
  • Espanhol
  • Português
Submit

EM PUBLICAÇÃO

EDIÇÕES

Boletim Técnico da Petrobras

Publicação:AGO /2012

Volume:55

Número:2

Artigos mais procurados

Artigos
Apresentação, Expediente e Sumário

O Prêmio Petrobras de Tecnologia é uma iniciativa desenvolvida em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e tem como objetivos fomentar o envolvimento da comunidade de ciência e tecnologia nos temas tecnológicos mais relevantes para a Empresa e reconhecer a contribuição acadêmica para o nosso desenvolvimento tecnológico. Para registrar esta história de sucesso e reconhecimento, o Boletim Técnico da Petrobras (BTP) tem publicado números exclusivos com os trabalhos premiados nas suas diversas categorias.


Autores:

Palavras-chave

Compartilhe

  • Share to Google Plus
  • Share to Twitter
  • Share to Linkedin
Caracterização da confiabilidade humana nas atividades de operação, manutenção e inspeção em refinarias de petróleo

Este trabalho apresenta um sistema de caracterização da confiabilidade humana baseado na metodologia fuzzy, que visa reduzir as possibilidades de erros humanos. Desenvolvido para as atividades de operação, manutenção e inspeção em unidades de processo, produção ou distribuição de petróleo, o sistema utiliza como base o guia para redução de erros humanos (Lorenzo, 2001), que identifica 64 fatores de desempenho humano. Este sistema não está restrito a refinarias de petróleo, podendo ser empregado em diversas atividades industriais (indústrias nuclear e química, por exemplo). Para avaliar as possibilidades de falha humana esperada, o modelo analisa os elementos que interagem com cada operador.


Autores: Nicholas Pinho Ribeiro, Dilza de Mattos Szwarcman, Jesús Domech Moré, Marley Maria Bernardes Rebuzzi Vellasco, Ricardo Tanscheit

Palavras-chave

confiabilidade humana, conjuntos fuzzy, números fuzzy, segurança operacional

Compartilhe

  • Share to Google Plus
  • Share to Twitter
  • Share to Linkedin
Efeito do silício de antiespumantes nos catalisadores de HDT

A gama-alumina é uma fase de baixa temperatura da alumina, Al2O3, e já é estabelecida como um importante material em muitos processos industriais, atuando como adsorvente, catalisador e suporte. O polidimetilsiloxano (PDMS) é um polímero misto de material orgânico e inorgânico com fórmula geral [(CH3)2SiO]n, que, além de várias aplicações, tem sido utilizado atualmente na indústria do petróleo como um agente antiespumante. O problema da desativação de catalisadores suportados em gama-alumina pelo contato com o agente antiespumante PDMS, principalmente durante o processo de hidrotratamento (HDT), já foi reportado na literatura.


Autores: Ary Rodrigues Ferreira Junior, Alexandre Amaral Leitão

Palavras-chave

gama-alumina, envenenamento, catalisador, antiespumante, polidimetilsiloxano

Compartilhe

  • Share to Google Plus
  • Share to Twitter
  • Share to Linkedin
Desenvolvimento de aditivos nanoestruturados para melhorar o desempenho de ligantes asfálticos

Em 2010, o Brasil bateu o recorde de produção de asfalto, com 2,8 milhões de toneladas. O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) vem puxando esta demanda. Os ligantes asfálticos atendem de maneira satisfatória a grande parte das situações. No entanto, o volume e a magnitude das cargas de tráfego sofreram um aumento significativo nos últimos anos. Em sintonia com os avanços na química, física e engenharia de materiais, apresenta-se o desenvolvimento de aditivos nanoestruturados para melhorar o desempenho de ligantes na pavimentação. Nanocompósitos formados por polímeros e argilas organicamente modificadas são economicamente viáveis e com a vantagem de melhorar o com- portamento dos asfaltos, além do potencial para retardância de chama, que reduz a emissão de voláteis. Verificam-se os efeitos causados pela adição de duas argilas em ligante com copolímero do tipo estireno-butadieno-estireno (SBS).


Autores: Thaís Ferreira Pamplona, Sandra de Aguiar Soares

Palavras-chave

argila, nanocompósito, ligante asfáltico

Compartilhe

  • Share to Google Plus
  • Share to Twitter
  • Share to Linkedin
Determinação de parâmetros de transmissão de calor em uma areia uniforme

Este artigo trata da determinação de parâmetros de calor, condutividade térmica e capacidade de aquecimento volu- métrico, de uma areia uniforme em diferentes condições de densidade relativa e saturação. Foram feitos dois conjuntos de ensaios, um com amostras secas e, o outro, com amostras úmidas. Procurou-se usar a mesma densidade relativa nos ensaios com amostras secas e úmidas. Em todos os ensaios, fez-se a mesma distribuição de sensores de tempera- tura na amostra, em diferentes alturas e distâncias em relação à fonte de calor. Cada ensaio durou cerca de cinco dias. Posteriormente, os dados experimentais foram comparados com os dados obtidos através de uma modelagem numérica usando o método dos elementos finitos por meio do programa TEMP/W da GEO-Slope. Os parâmetros de condução de calor mencionados acima foram obtidos por meio da minimização dos erros entre os resultados laboratoriais e numéricos.


Autores: Marcos Vinicius Vieira Pereira, Roberto Francisco de Azevedo, Vanusca Oliveira Bertazo

Palavras-chave

condutividade térmica, areia uniforme, propriedades térmicas dos solos

Compartilhe

  • Share to Google Plus
  • Share to Twitter
  • Share to Linkedin
Caracterização química dos produtos obtidos por craqueamento térmico de óleo de peixe residual (OPR) – estudo da classificação como biocombustíveis

Este trabalho mostra o estudo para a produção e caracterização de biocombustíveis obtidos através do craqueamento térmico de óleo de peixe residual (OPR). O material residual foi submetido ao processo de craqueamento térmico em uma unidade piloto à temperatura de 525ºC. O OPR empregado neste estudo apresentava em sua composição química majoritária os ácidos graxos C16:0  (15,87%), C18:2  (20,96%), C18:1  (17,29%), C20:5  (5,11%), C20:1  (7,59%), C22:6  (4,53%), C22:1 (10,42%) , dentre outros. O craqueamento térmico deu origem a uma fração gasosa e a uma líquida, esta última denominada bio-óleo bruto (BOB). A fração gasosa foi analisada e sua composição média mostrou a presença de H2 (4,73%), N2 (5,57%), O2 (1,94%), CO (12,94%), CH4 (15,30%), CO2 (10,42%), C2H4 (22,94%) e C2H6 (8,64%). A fração líquida chamada de bio-óleo bruto (BOB) apresentou um rendimento de 73% (m/m).


Autores: Alberto Wisniewski Junior, Vinicyus Rodolfo Wiggers, Henry França Meier, Luiz Augusto dos Santos Madureira

Palavras-chave

óleo de peixe, resíduo, pirólise, craqueamento térmico, bio-óleo, biocombustíveis

Compartilhe

  • Share to Google Plus
  • Share to Twitter
  • Share to Linkedin